PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Vigilância Sanitária de Suzano interdita lar para idosos que não tinha documentos para funcionamento; Local abrigava 20 pessoas

A Vigilância Sanitária de Suzano interditou na última sexta-feira (14) uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (Ilpi) localizada em uma das estradas de terra paralela à rodovia Índio Tibiriçá (SP-31), no bairro Chácara Nossa Senhora Aparecida, no distrito de Palmeiras. O local abrigava 20 pessoas que serão levadas para as famílias ou casas de repouso regulares até que o espaço seja legalizado.

A denúncia da Ilpi clandestina chegou até a Vigilância Sanitária por meio do Ministério Público. A atividade também contou com o acompanhamento da Guarda Civil Municipal (GCM).

Segundo o diretor do órgão, Mauro Vaz, o problema do local está ligado à falta de documentação para poder funcionar como uma casa de repouso para idosos. Já promovemos a interdição da Ilpi, ou seja, ela não pode mais acolher ninguém e agora tem um prazo de dez dias para que os idosos sejam levados até suas famílias ou casas de repousos legalizadas para que a regularização necessária possa ser iniciada”.

Ele ainda destacou que a Vigilância Sanitária está disponível para contribuir com a normalização do estabelecimento.
“Os responsáveis podem nos procurar para colocarem a documentação em ordem, entre esses o LTA (Laudo Técnico de Avaliação), que representa o aval da Vigilância Sanitária para o exercício da atividade”, disse.

Além da questão documental, o imóvel ainda apresenta problemas estruturais. “Pudemos perceber que há goteiras e problemas de iluminação e de acomodação que precisam de atenção. Se os proprietários desejam manter o espaço, essas questões também devem ser sanadas”, afirmou.

Por fim, Mauro Vaz ressaltou que o órgão municipal não atua somente com o objetivo de punir, mas também de contribuir com a regularização para a atuação correta. “Sabemos da importância desses estabelecimentos no tratamento de idosos, mas eles devem ter condições oficiais e estruturais para o trabalho, porque há responsabilidades a serem seguidas no trato com esse público”, finalizou Vaz.