PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Com fim das atividades da Ford no Brasil, “consagrados” Ka e Ecosport saem de linha

Nessa segunda-feira (11), a montadora Ford anunciou que fecharia as suas fábricas no Brasil, localizadas em Camaçari (BA), Taubaté (SP) e Horizonte (CE). Na fábrica baiana eram produzidos dois dos mais famosos modelos da marca: o Ford Ka e o Ford EcoSport. Com o fechamento dela, os dois sairão de linha e, após o fim dos estoques, não estarão mais disponíveis para compra.

De acordo com a Ford, isso não impactará a produção em outros países, como Uruguai e Argentina, mas fará com que a empresa trabalhe como importadora no Brasil. Isso porque ela não sairá completamente do país. O Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, o Campo de Provas, em Tatuí (SP), e sua sede regional em São Paulo serão mantidos, por exemplo. Em nota, a empresa disse: “A Ford mantém assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia para seus clientes no Brasil e na América do Sul”.

Toda a restruturação faz parte de um projeto global de mais de U$ 11 bilhões, possuindo no Brasil despesas não recorrentes de U$ 4,1 bilhões, sendo U$ 2,5 bilhões em 2020 e U$ 1,6 bilhão em 2021. Esse valor está relacionado ao impacto contábil atribuído à baixa de créditos fiscais, depreciação acelerada e amortização de ativos fixos. Os outros U$ 2,5 bilhões serão direcionados para tratar de compensações, rescisões, acordos e outros pagamentos.

Adeus Ka e Ecosport

Em 2020, o Ford Ka fi o quinto carro mais vendido do ano. Sua versão hatch registrou 67.491 unidades comercializadas e o sedã, 25.743. O fim do modelo não é somente nacional, mas global – o carro só era produzido aqui, portanto, deixará de existir.
Já o EcoSport, modelo que foi projetado e idealizado no próprio Brasil, por meio do Amazon Project no início do século, deixará de ser produzido aqui, tendo apenas a chance de ainda ser comercializado aqui por valores acessíveis se começar a ser montado pela fábrica vizinha, na Argentina. Na Europa, o veículo continuará sendo vendido normalmente.