Nesta sexta-feira (09), é celebrado o Dia Internacional contra a Corrupção; Especialista em Ciência Política pela USP explica ‘pirâmide’ da corrupção

PUBLICIDADE

Nesta sexta-feira (09), é celebrado o Dia Internacional contra a Corrupção. A ação visa conscientizar sobre a prevenção da corrupção, mobilizando recursos para o combate.

Além disso, a data também alerta sobre a importância da “Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção”, que foi assinada por diversos países, no dia 9 de dezembro de 2003 e entrou em vigor no dia 14 de dezembro de 2005 e tem como ideia central fortalecer a cooperação internacional para ampliar a prevenção e o combate à corrupção no mundo todo.

O que um especialista tem a dizer sobre?

Em entrevista para o portal HojeDiário.com, a doutoranda em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP) e pesquisadora do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), Daniela Constanzo, explica que a data é importante, mas, ao contrário do que pensam, as discussões públicas sobre o tema não são para conscientizar um cidadão a não ser corrupto, mas, sim, para trazer estrutura para o combate da corrupção no sistema que o comanda.

“Eu gosto de pensar que a cadeia da corrupção começa pelo topo e não por baixo. A sociedade carrega muito a ideia de que a corrupção está presente nas pessoas, nas pequenas ações, então, quando chega no governo, a “grande corrupção” acaba sendo tratada como se fosse algo de caráter. Na verdade, essa é uma forma de funcionamento de alguns ambientes, tanto públicos quanto privados”, afirma.

A pesquisadora cita o texto “Jeitinho e jeitão” do sociólogo Francisco de Oliveira como forma de explicação. Segunda ela, a obra traz um pensamento de que o conhecido “jeitinho brasileiro” – que é a forma de agir que não está dentro das regras ou atua por meio de regras informais – vem de um “jeitão” imposto pelos mais ricos e pessoas que têm poder. Então, esse “jeitão” impõe um certo modo de funcionamento para a sociedade, que acaba tendo que seguir e agir com o “jeitinho” para sobreviver ao sistema.

Constanzo aponta que para eliminar a corrupção seria necessário mudar a forma de funcionamento do Estado Brasileiro. Segundo ela, todos os grandes casos de corrupção que revisita são relacionados à necessidade do presidente de governar.

“Para o presidente governar, ele deve formar uma aliança no Congresso e, para formar essa aliança, é preciso distribuir cargos em diversos órgãos do Governo, porque os parlamentares e partidos, principalmente os que não disputam ou não são muito fortes na eleição presidencial, mas que são muito fortes no Congresso – em especial aqueles chamados de ‘centrão’, têm interesse em conseguir cargos para fazer uma troca de interesses, ganhando dinheiro por meio de contratos públicos para usar a corrupção e se manter no poder”, explica.

De acordo com Daniela, indícios apontam que muitos partidos do centrão conseguem que um candidato seja eleito por meio de ações ilegais e, uma delas, é mandar uma quantia em dinheiro para o colégio eleitoral que o partido mais recebe votos e, com isso, garantir que os eleitores votem nele.

“Pesquisadores apontam que isso aconteceu muito com o Orçamento Secreto, já que os partidos podem destinar um dinheiro para o seu colégio eleitoral – esse dinheiro também pode voltar em partes para você, em forma de propina, não só para enriquecimento próprio, mas também para manter o próprio partido, como caixa dois – e, com isso, eles conseguem ser eleitos e ter uma quantia significativa de votos nos colégios eleitorais que interessam para eles. Os votos, claro, vêm de ações que os partidos realizam, como envio de recursos para a população de certas áreas do país. Então, como eles sempre estão no poder, eles sempre têm dinheiro e sempre contam com os recursos”, diz.

A doutoranda salienta que toda essa ação vira um ciclo que alimenta a engrenagem da corrupção. Já que o presidente, quando é eleito, precisa escolher uma base para aliança e essa base se dá por “chantagem” de alguns partidos em troca de apoio.

“A corrupção não é moral, não está nas pessoas. Ela está no sistema, em como ele funciona. Existem pessoas que praticam a corrupção, mas elas são corruptas porque estão dentro de um sistema que funciona dessa maneira”, conclui.

(por Eduarda Hutter, Estagiária em Jornalismo, sob supervisão do editor)

Participe do canal “Clube Hoje Diário” no Telegram, é totalmente grátis

Temos um convite para todos vocês que acompanham o site HojeDiario.com, conheça o canal “Clube Hoje Diário” no Telegram.
Lá, vocês terão acesso a notícias fresquinhas, vagas de emprego, informações sobre concursos públicos, entretenimento e muito mais.
Ofereceremos sorteios, promoções e cupons de descontos especialmente para membros do canal.
Lembrando, para participar do canal Clube Hoje Diário, É TOTALMENTE DE GRAÇA.
Para participar, basta você ter Telegram e acessar o link https://t.me/clubehojediario

Send this to a friend