PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Santa Casa de Mogi das Cruzes se une a outras unidades contra corte de 12% feito pelo Governo do Estado

Divulgado no Diário Oficial nesta quarta-feira (6), o corte de 12% nos recursos direcionados para as Santas Casas foi repudiado em nota pela Federação das Santas Casas, Hospitais e Entidades Beneficentes do Estado de São Paulo (Fehosp) e teve registrada a assinatura da Unidade de Mogi das Cruzes.
O corte representa uma perda de mais de R$ 86 mil mensais e a longo prazo, uma perda de investimento no valor de R$ 1 milhão, o que afetaria drasticamente no atendimento prestado pelas unidades filantrópicas.

A Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes é responsável por mais de 20 mil atendimentos por mês e referência em ortopedia, oftalmologia, neurocirurgia e gestações de alto risco na região do Alto Tietê. A unidade vem sofrendo por subfinanciamento do SUS, isto é, a distribuição de capital abaixo do necessário para custear a estrutura sustentada, o que causa igualmente o colapso de hospitais beneficentes.

A Secretária Estadual da Saúde informou em nota que o corte ocorreu por causa do redirecionamento de recursos para o combate a pandemia do Coronavírus e que é amparado pela Lei Orçamentária de 2021 e não terá prejuízo para os pacientes dependentes da rede pública.

Após a divulgação do corte, a Fehosp juntou assinaturas para uma nota urgente dizendo o reajuste afetará diretamente o atendimento. O provedor da Santa Casa de Mogi das Cruzes, disse que repudia o corte: “Confirmo meu apoio à Fehosp e concordo com a posição de repúdio com esse corte nesta verba tão importante para nós, aqui da Santa Casa de Mogi das Cruzes e para todas as Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, transferindo para nós a responsabilidade de manter o volume de atendimento com a mesma qualidade afim de não causar impacto à população.”