PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Instituto Olga Magalhães, conhecido por seus cursos preparatórios em Suzano, tem seis alunos aprovados em concurso da Polícia Científica de Goiás

PUBLICIDADE

O Instituto Olga Magalhães, localizado em Suzano, teve cinco alunos formados em seus cursos auxiliares aprovados no Concurso Público da Polícia Técnico-Científica de Goiás para o cargo de Auxiliar de Necropsia. Todos os alunos passaram pela primeira fase e agora seguem para a segunda.
Os seis aprovados foram Kauan Monteiro; Rilary Daiane; Geovana Pereira; Alicia Ferreira; Estevão Herculino e Cida.

Ao portal HojeDiario.com, eles contaram um pouco como foi a experiência deles para se capacitarem para o concurso.

Kauan Monteiro foi o mais jovem dos aprovados, com apenas 18 anos. Morador de Mogi das Cruzes, uma vez por semana ele vinha a Suzano para fazer as aulas de Auxiliar de Necropsia.
“Eu comecei a fazer o curso com apenas 17 anos, então não tinha muitas atividades com as quais conciliar as aulas. Para mim, [a necropsia] sempre foi uma área com a qual eu sonhei muito e passar no concurso é uma sensação maravilhosa, quase não dá para acreditar que realizei esse sonho”, contou.

Kauan durante uma das aulas do curso de Necropsia; Foto: Arquivo Pessoal

Ele fez questão de ressaltar o ambiente do Instituto e a boa capacitação oferecida pela escola.
“As aulas eram tão interessantes que passaram muito rápido. Quando vi, já tinha se passado um ano. Foi 1 ano e 3 meses de intensos estudos, com aulas muito alegres, informativas e diversificadas. Toda aula era um novo tema”, disse.

A sensação foi a mesma por parte de Rilary Daiane, de 21 anos. Também aprovada no mesmo concurso, ela disse que o Instituto foi essencial para ser capacitada para enfrentar a prova.
“Uma das partes fundamentais da minha jornada foi o incentivo da professora Olga Magalhães, não só comigo, mas com todos na sala. As oportunidades que tínhamos com as aulas práticas nos permitiam enfrentar nossos medos e inseguranças”, explicou.

Rilary também foi uma das aprovadas no Concurso Público; Foto: Arquivo Pessoal

O apoio de Olga, segundo conta Rilary foi essencial para que ela se formasse também no curso.
“Tive problemas para conciliar o trabalho, faculdade e o curso. Não tinha tempo. Sou moradora de Mogi das Cruzes e não conseguia ir sempre pra Suzano. Tive muitas ausências, tendo até uma época que a professora Olga me dava aulas online para que eu não perdesse nenhuma matéria. Cheguei a perder meu emprego, mas dei meu jeito; não queria parar o curso e voltei com tudo, porque eu não podia interromper mais uma vez meu sonho”, contou.

Para ela, passar no concurso foi uma das melhores emoções que ela já sentiu em sua vida.
“Para mim foi incrível. Eu não acreditei quando vi meu nome na lista. Chorei tanto e agradeci tanto a minha esposa, que foi uma das partes fundamentais para a minha realização, abraçando meu sonho da forma mais bonita que existe. E principalmente agradeci muito a professora Olga”, disse.

Geovana Pereira também foi uma das aprovadas no curso da Polícia Científica de Goiás. Ela é médica-veterinária formada e inclusive atua como professora do curso de Auxiliar de Veterinária no Instituto Olga Magalhães. Mas seu sonho sempre envolveu a área policial.
“Decidi fazer o curso de necropsia primeiro por gostar muito da área de biologia e sempre foi um desejo meu ser policial. Então, o concurso seria uma oportunidade de ser duas coisas que eu queria muito”, explicou.

Moradora de Mogi das Cruzes, Geovana destacou, como os outros aprovados, que as aulas eram diferenciadas.
“Sempre tive muito apoio da professora Olga, fosse na hora de alguma dúvida sobre o assunto até o incentivo para a inscrição do concurso”, disse.

À esquerda, Alicia, e à direita, Geovana; Foto: Arquivo Pessoal

Uma de suas colegas, Alicia dos Santos, relatou ter tido dificuldades em voltar a estudar depois de tanto tempo formada. Com 24 anos, ela voltou aos estudos para o curso de necropsia e análises clínicas.
“Eu tinha dificuldades de conciliar o horário do meu serviço com o curso, porque eu saia muito tarde alguns dias e precisava acordar cedo no dia seguinte”, afirma.

Apesar dos desafios, a qualidade das aulas sempre a motivou a continuar.
“As aulas eram maravilhosas. Aprendi tantas coisas boas, mudei meu modo de pensar e agir. Tínhamos as aulas práticas, sempre com a professora Olga fazendo perguntas para testar nossos conhecimentos após as aulas”, contou.

Para ela, passar no concurso foi como tirar um peso das costas.
“Passar me deu uma sensação de alívio muito boa. Pude ver que meus esforços valeram a pena. Senti gratidão por ter apoio da minha professora para fazer a prova e hoje só tenho a agradecer a Deus por esse momento em que vivo”, disse.

Estevão Herculino, de 37 anos, foi mais um dos aprovados e disse que buscou o concurso como forma de ter uma experiência nova nessa área de atuação.
“Quando recebi a notícia da aprovação, só consegui agradecer a Deus. Eu saí daqui de São Paulo e fui fazer o concurso. Foi maravilhoso ter passado”, disse.

Estevão abraçado com Cida, outra aluna que foi aprovada no Concurso; Foto: Arquivo Pessoal

Instituto Olga Magalhães

Algo que todos tinham em comum era a gratidão a capacitação dada pelo Instituto Olga Magalhães para que a aprovação no Concurso Público fosse possível. O próprio Estevão não poupou elogios para a escola.
“Ter realizado meu sonho é maravilhoso e só é possível porque estudo no melhor instituto com os melhores professores. Só tenho que agradecer a Deus e a todos que me ajudaram a chegar até aqui”, destacou.

Geovana também destacou que, além da capacitação no curso de necropsia, o Instituto a capacitou a lidar com a preparação para o concurso.
“O curso e o Instituto me deram um apoio que eu não esperava e isso me fez seguir o meu sonho. Sou muito grata, principalmente, pelo incentivo que me deram, pois foi graças a ele que tive a coragem para tentar algo tão diferente do convencional e tentar uma vaga num concurso tão longe de casa”, ressaltou.

Rilary disse “gratidão” é a palavra que define seu sentimento em relação ao Instituto e, principalmente, à própria professora Olga Magalhães.
“A realização desse meu sonho é descrita com a palavra gratidão. Sou grata ao Instituto e à professora Olga por acreditarem nos alunos e não desistirem deles. A escola é completa, humanizada você a todo momento e capacita você a chegar na prova, olhar cada questão, e na sua cabeça vir somente a voz da professora durante as aulas. A melhor coisa que eu fiz até hoje foi ter me inscrito no curso no Instituto, porque me trouxe um resultado que será para o resto da minha vida”, disse.

Por fim, Kauan também ressaltou a importância que a professora Olga Magalhães teve em sua formação.
“Eu só consegui realizar esse sonho graças ao Instituto Olga Magalhães e a própria Olga, que sempre foi como uma mãe para mim e foi quem me aconselhou a prestar o concurso. Também tenho que agradecer minha mãe e minha tia que foram comigo para outro estado e acreditaram no meu potencial. A parte mais difícil é chegar lá, de resto, é só se dedicar ao máximo que vai dar certo. Como a professora Olga costuma dizer: ‘Se você estudou, não tem como dar errado’. No fim, valeram a pena todas as minhas horas de estudo”, finalizou.  

O Instituto Olga Magalhães é reconhecido pelo ensino de qualidade e pelos preços acessíveis de seus cursos. Entre as opções oferecidas estão:

  • Auxiliar administrativo;
  • Auxiliar em Farmácia;
  • Auxiliar em Veterinária;
  • Auxiliar em Análises Clínicas;
  • Auxiliar em Necropsia;
  • Cuidador de idosos.

Para fazer uma visita ao Instituto Olga Magalhães, é preciso agendar um horário via WhatsApp; a instituição está localizada na rua General Francisco Glicério, número 1200, na região central de Suzano.
Mais informações podem ser solicitadas no telefone (11) 4580-0954 ou através de mensagem WhatsApp no número (11) 96596-1973 (acesse fácil clicando no link http://wa.me/5511965961973).